29/12/2015

Uma parte do plantel para 2016

 photo 11_zpstp6rqabm.png 

 photo 18_zpsmemdfu6v.png 

 photo 16_zps2pw9bmhn.png 

 photo 14_zpsab0cosio.png

 photo 13_zpsgkmecolm.png 

 photo 12_zpsyapaqwut.png 

 photo 15_zps53go6ehh.png 

 photo 17_zps9bnrxcu3.png

Codorniz da china no choco

 photo 10_zpslv6roxop.png 

 Mesmo sendo tirada em chocadeira e com este frio esta codorniz quis começar a chocar.
Na primeira foto está o casal de roseicollis azuis e nas fotos por baixo estão já algumas crias tiradas.

 photo 6_zpsg2nzyc3z.png 

 photo 8_zpsnzvswlyk.png 

 photo 7_zps27nbxus3.png
 photo 9_zpst8piwypa.png 

Crias de 2015 que ficarão no plantel.

Casal de mandarim

 photo 5_zps8ula7ycv.png
Macho bochecha preta com poupa e fêmea bochecha preta

10/08/2015



صباحكم سعاده حبايبي ❤
Posted by ‎جعفر الناصر‎ on Segunda-feira, 27 de Julho de 2015

05/07/2015

Galápagos: as ilhas de Darwin vão ver nascer novas espécies de aves

 photo 940088_zps8bchhj4v.jpg
O tentilhão-de-cacto-grande (Geospiza conirostris) foi uma das quinze espécies de tentilhões estudadas
 

O desaparecimento de espécies na Terra é observável no tempo de vida humano. Já a lenta formação de novas espécies é muito mais difícil de captar. Mas foi isso que uma equipa de cientistas foi à procura nas Galápagos, o arquipélago do oceano Pacífico que Charles Darwin visitou e observou os tentilhões, servindo-se mais tarde destas aves como um exemplo para a sua teoria da evolução das espécies.

A equipa, que conta com um investigador português, comparou 25 espécies de aves terrestres daquelas ilhas, onde se incluem, além das 15 espécies de tentilhões, outras aves como a rola-das-Galápagos (Zenaida galapagoensis) ou a mariquita-amarela (Dendroica petechia aureola), para avaliar se continuavam a radiar em novas espécies, ou se essa divergência tinha atingido um equilíbrio. E perceberam que enquanto os tentilhões já tinham parado a radiação, todas as outras aves continuam a divergir.
Por isso, é possível que daqui a milhares de anos haja mais espécies do que hoje, mostra um artigo publicado ontem na importante revista científica Ecology Letters. Esta é mais uma razão para a conservação das ilhas, defendem os investigadores.      
Os estudos filogenéticos recentes — que comparam a sequência de ADN entre espécies para determinar o parentesco entre elas — mostram que todas as espécies de tentilhões derivam de uma única colonização de uma ave proveniente da América do Sul, que chegou ao arquipélago há menos de quatro milhões de anos.
A história natural das ilhas faz-se de acontecimentos improváveis: espécies de animais e de plantas que, por um acaso, levados nas correntes das marés ou transportados por outros animais, instalam-se nestes pedaços de terra. Ao longo dos anos, as espécies adaptam-se, evoluem. Muitas vezes, também se extinguem nas ilhas graças a fenómenos naturais como erupções vulcânicas ou subidas do nível do mar.
“As ilhas são muito dinâmicas, num milhão de anos acontece tudo o que pode acontecer”, diz ao PÚBLICO Luis Valente, da Universidade de Postdam, na Alemanha, e um dos autores do estudo, com Albert Philimore, da Universidade de Edimburgo, Escócia, e Rampal Etienne, da Universidade de Groningen, Holanda.
Mas as ilhas são modelos muito bons para se estudar como é que as espécies se formam. “O facto de as ilhas terem menos espécies e terem fronteiras bem definidas, permite estudar fenómenos que não se conseguem estudar no continente”, defende o biólogo português. “Nos continentes há muito mais movimento, é difícil definir unidades [de área] que façam sentido. As ilhas são perfeitas. Como há muitas ilhas e várias delas partilham condições semelhantes, acabam por ser experiências naturais de evolução e ecologia.” 
Quando Charles Darwin visitou as Galápagos em 1835, durante a sua viagem no navio HMS Beagle, entre 1831 e 1836, encontrou nas diferenças dos bicos dos vários tentilhões, adaptados à alimentação, um argumento para a sua futura teoria da evolução. “Observar esta gradação e diversidade de estruturas de um pequeno grupo de pássaros, intimamente relacionados, poderá mesmo levar alguém a pensar que de um pequeno número inicial de aves neste arquipélago, uma espécie se modificou para diferentes fins”, escreveu o naturalista no seu livro de 1839 A Viagem do Beagle.
“Consegue-se perceber como é que Darwin chegou às ideias que chegou”, defende Luis Valente, 30 anos, que esteve nas Galápagos em 2013. “Há uma proximidade entre as ilhas e há muita facilidade em estudar as espécies. Consegue-se perceber o que liga uma espécie à outra”, conta o biólogo.  
Vinte anos depois de A Viagem do Beagle, Charles Darwin publicou a sua obra-prima, A Origem das Espécies, onde propõe a teoria da evolução. O naturalista defendeu que existe variabilidade entre os indivíduos de uma espécie, e os mais bem adaptados ao ambiente acabam por ter mais sucesso, reproduzem-se mais, tornando as suas características dominantes na população. Ao longo do tempo, este mecanismo acaba por ajudar a originar novas espécies.
As décadas seguintes provaram que Darwin estava certo. Em última instância, a evolução revelou-nos que todas as espécies da Terra estão unidas por um longínquo antepassado comum, tal como Charles Darwin alude no final do livro: “Enquanto este planeta continuava a girar de acordo com as leis fixas de gravidade, uma quantidade infinita de formas tão belas e admiráveis, emergidas de um começo tão simples, evoluía e continua, ainda hoje, a evoluir.”

 photo 940089_zpswmkqivii.jpg
O tentilhão-da-terra-de-bico-pequeno (Geospiza fuliginosa)

 photo 940090_zpswomud8tq.jpg
A mariquita-amarela (Dendroica petechia aureola) foi outra espécie das Galápagos estudada

 photo 940091_zpsnu141rgm.jpg
O Mimus trifasciatus é uma das quatro espécies de Mimus que evoluíram nas Galápagos. Mas a sua diversificação, ao contrário dos tentilhões, ainda não terminou

 photo 940093_zpsfcjvebfe.jpg
O papa-lagarta-acanelado (Coccyzus melacoryphus) foi outra espécie estudada


 photo 940094_zpsgf1xi2xf.jpg
A rola-das-Galápagos (Zenaida galapagoensis) foi outra espécie estudada

 photo 940095_zpslkwlyp1h.jpg
O papa-moscas-das-Galápagos (Myiarchus magnirostris) está num processo de se diferenciar em espécies diferentes

Novas aquisições

 photo 3_zpsmjdvwllz.png
Casal de diamante papagaio

 photo 2_zpsxbtgnqiv.png
Casal de diamante papagaio

 photo 4_zpsxzoowozq.png
Casal de diamante kittlitz

 photo 5_zpsidpxksqz.png

Mandarim fêmea de bochecha preta com poupa

 photo 6_zpsrra0grau.png


04/07/2015

 photo 1_zpsd5cjth0s.png 

Mais 3 crias, estas já com anilha vamos ver como os pais se portam.

40 anos depois, há um abutre bebé no Alentejo

Nasceu um abutre-preto no Alentejo. A cria veio restabelecer um local de procriação que não existia há quatro décadas. E representa mais um passo dado para retirar a espécie do perigo de extinção.

 photo 1200_image018_770x433_acf_cropped_zpsxfszhmba.jpg 


Há quatro décadas que não nascia uma cria de abutre preto no sul de Portugal. Mas um casal desta espécie reproduziu-se no Alentejo, na Herdade da Contenda, e uma nova ‘avezinha’ veio ao mundo. O abutre bebé veio reavivar a esperança do aumento da população desta espécie, que está em situação crítica de perigo de extinção nesta região.
O macho e a fêmea de abutre que acasalaram tinham sido instalados num ninho produzido no âmbito do projeto LIFE “Habitat Lince Abutre”, à semelhança de um outro casal destas aves. Os quatro animais estavam sob proteção da Liga para a Proteção da Natureza (LPN) desde que foram encontrados em março de 2014, no concelho de Moura, em Beja. De acordo com a instituição, o objetivo é restabelecer “um núcleo reprodutor desta ave no sul de Portugal”.
Até agora, existiam 12 casais destas aves na região do Tejo Internacional desde 2010 e apenas um na região do Douto Internacional.

17/05/2015

Crias de mandarins

Este ano com o novo casal de mandarins de bochecha preta não tem sido fácil, alguns ovos não galados e algumas crias mortas.
Desta vez tirou mais 2 crias, 1 macho e 1 fêmea, destas vou guarda-las para o ano começarem a criar para formar mais uns casais de mandarins de bochecha preta.

 photo 65499898494_zpsmjdroqrm.png 

 photo 546465695_zpsonyg7kc4.png

Primeiras crias dos face carmesim

Primeiras 4 crias do primeiro casal que adquiri.

 photo 548489489_zpsdyujra3h.png 

 photo 6559595_zpsmirbxzpc.png 

 photo 652656956_zpskjpledpn.png


Primeiras 2 crias do casal que fiz o ano passado.

 photo 84848484_zpsesuyrtik.png 

 photo 48948946_zpssnxgyiwe.png

07/04/2015

29/01/2015

O casal de periquitos ingleses que formei das crias que tirei no ano passado

http://i748.photobucket.com/albums/xx125/quintadomarco/5484653_zps48d7bf44.png 

http://i748.photobucket.com/albums/xx125/quintadomarco/654962_zps539b9ee3.png 


E aqui estão as crias da primeira postura, algumas delas para o ano irão fazer parte do plantel

http://i748.photobucket.com/albums/xx125/quintadomarco/612662_zpsafef4dcc.png 

http://i748.photobucket.com/albums/xx125/quintadomarco/641621_zps4826ae59.png 

http://i748.photobucket.com/albums/xx125/quintadomarco/648945962_zpsbdcfc9c4.png 

http://i748.photobucket.com/albums/xx125/quintadomarco/8489462_zps3799da3f.png 

http://i748.photobucket.com/albums/xx125/quintadomarco/961653_zps0af31d2f.png
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...